Irmãs perversas: A diferença de artrite e artrose segundo reporta Sergio Cortes

Você acorda em um belo domingo de manhã e observa ao lado de fora da janela o sol batendo perenemente sobre a cortina. A primeira coisa que faz ao acordar é dar aquela espreguiçada gostosa, em uma espécie de ritual diário. Mas algo aconteceu naquele dia, e um hábito tão solene se transforma em um pesadelo. Você estranha aquela dor incômoda nos ombros, especificamente nas articulações, porém ignora achando que não passa de um mal jeito. Ao abrir as cortinas para sentir os raios solares invadindo o quarto, novamente um puxão estranho, mas dessa vez entre os dedos da mão. E esse mesmo cenário começa a se repetir algumas vezes, de maneira espaçada, durante o seu dia. Com o passar do tempo, dores incômodas que antes eram somente na parte superior do corpo começam invadir os membros inferiores. Joelhos e tornozelos já não apresentam o mesmo rendimento, e qualquer esforço, por menor que seja, causa aquela mesma dor persistente que tanto o preocupa. Sem pestanejar, consulta um médico ortopedista e o diagnóstico: Artrite, com suspeita de Artrose. E agora? Qual a diferença entre os dois?

O Dr. Sergio Cortes, médico ortopedista, reporta como diferenciar a Artrite de sua irmã Artrose de um jeito simples e fácil de entender.

Antes de aprender o bê-á-bá das duas doenças, é preciso primeiramente saber o que é uma articulação. Articulação, segundo noticia o Dr. Sergio Cortes, se refere a “liga” entre dois ossos. É uma espécie de amortecedor interno.

Ex. Entre o ombro e o braço, existe uma camada protetora que impede os ossos de entrarem em atrito. Essa camada, composta de cartilagens e um líquido espesso, é chamada de articulação. Em nosso crânio também existem articulações, porém são compostas de um material diferente dos braços ou cotovelos. O material entre os ossos do crânio é composto de uma espécie de cola fibrosa, que os mantém fixos cada um no seu lugar.

O meio termo está na coluna: Entre as vértebras, encontram-se cartilagens não tão flexíveis como as dos braços e afins, como também não tão fibrosas como as do crânio. Elas permitem uma determinada flutuação, na medida certa!

Dados os fatos, o Doutor Sergio Cortes reporta que, a artrite, refere-se a inflamação dessa região tão importante para o movimento do corpo humano: A articulação. A raiz, ou causa do problema pode ter N motivos. Traumas em geral, esforço, movimento repetitivo, infecção por fatores externos, doença auto imune ou até mesmo a própria artrose, pode contribuir para que a artrite se desenvolva.

No caso da artrite, se for diagnosticada em seu estágio inicial e dependendo da causa do desenvolvimento da doença, ela pode se regenerar. Ainda há esperança.

Quanto a artrose, o processo é um pouco mais complicado. Enquanto a artrite é apenas uma inflamação da articulação, a artrose é o desgaste dela. Geralmente, a artrose é diagnosticada em pacientes de mais idade. O processo de envelhecimento do corpo humano, incluindo as articulações, resultam em uma espécie de destruição das células. As cartilagens acabam por se desgastar e se auto destruir aos poucos. Infelizmente esse processo não tem cura, mas os sintomas podem ser aliviados.

A artrose não acomete apenas pacientes da terceira idade. A artrite pode aos poucos evoluir para um quadro de artrose e provocar danos em pacientes de qualquer idade.

Outros fatores podem contribuir para o aparecimento da artrose. Segundo o Dr. Sergio Cortes informa, obesidade, fatores genéticos entre outros, pode resultar no aparecimento da doença precocemente. A partir do diagnóstico, o paciente segue algumas instruções médicas, que incluem fisioterapia, medicamentos receitados, ou em casos mais graves, a cirurgia para a reconstrução total das cartilagens afetadas.

Como cada caso é um caso, o Dr. Sergio Cortes recorda a importância de consultar um médico ortopedista assim que aparecerem os primeiros sintomas. Bons hábitos de saúde como: tomar bastante água, fazer uma reeducação alimentar e a prática de exercícios físicos sob os olhos vigilantes de um profissional capacitado, também podem contribuir para o alívio dos sintomas da doença das “irmãs malvadas” – artrite e artrose.

 

Fonte

 

Dor nas costas? Saiba o que você pode estar fazendo de errado.

A dor nas costas é a queixa mais frequente dos consultórios de ortopedia. A maior parte das pessoas já experimentou esse tipo de problema, ainda que frequentemente não seja constatada a necessidade de apoio médico. Nesse artigo, o ortopedista Sergio Cortes reportará os principais motivos dessas dores, para que você possa evita-los.

São muitos os tipos de dorsalgias (dores nas costas). A cervicalgia ocorre quando a dor é localizada na parte posterior da nuca, relata o Dr. Sergio Cortes. Quando aguda, é conhecida popularmente como torcicolo e na maioria das vezes é causada por uma noite mal dormida. Nos casos em que ela permanece por longos períodos, é necessário buscar apoio médico. A Lombalgia afeta a parte inferior da coluna e frequentemente está relacionada ao carregamento de peso. Quando o paciente apresenta acometimento do nervo ciático, ele pode sentir uma dor na parte inferior da coluna que irradia para a perna. Desvios de postura, como a cifose (desvio da coluna para frente) e a escoliose (desvio lateral) também podem causar dor. Grande parte dos problemas dorsais estão relacionados à musculatura.

O aumento do peso corporal pode ser o motivo do problema, lembra o Dr. Sergio Cortes. Uma vez que existe mais massa sobre a coluna, ela pode ser comprimida e ativar as terminações nervosas da região. Além disso, o acréscimo do volume também está relacionado aos desvios posturais e as hérnias de disco.

O sedentarismo, além de estar associado ao ganho de peso, é uma das principais causas de dorsalgia. Quando a musculatura não é devidamente trabalhada, ela se torna incapaz de manter a coluna vertebral na posição adequada, causando dores. O sedentarismo também está associado a manutenção do corpo em uma mesma postura por longos períodos, o que também aumenta o problema.

Mas mesmo aqueles que praticam atividades físicas com frequência devem tomar cuidado, recorda o médico ortopedista Sergio Cortes. Caso essas atividades sejam realizadas com uma má postura, as dores poderão aparecer.

Ainda que sejam jovens, os estudantes também estão sujeitos à dorsalgia. Como eles carregam mochilas e muitas vezes elas não estão dentro das recomendações, eles desenvolvem problemas posturais. Para evita-los, é preciso que o peso das bolsas represente no máximo 10% do peso corporal do aluno. Além disso, a largura das mochilas não pode ultrapassar a largura do tronco e sua altura deve ser inferior à altura dos ombros. Bolsas que se ligam tanto nos dois ombros como na cintura são recomendadas, pois ajudam na distribuição do peso.

Na hora de dormir, também é preciso precaução. Os colchões e os travesseiros devem estar em boas condições, reporta o Dr. Sergio Cortes. Até mesmo os sofás e poltronas não podem estar muito gastos, já que eles afundam e afetam a postura.

Pessoas que dirigem por longos períodos podem encontrar problemas caso o veículo não esteja em perfeitas condições. Pedais e embreagem muito duros podem desencadear as dores.

O banco do carro também deve ser verificado periodicamente, uma vez que sua deterioração pode resultar em má postura corporal.

Comer muita gordura dá câncer? Sergio Cortes esclarece o assunto

A gordura é um alimento tipicamente relacionado com várias doenças, sobretudo com aquelas que prejudicam o sistema cardiovascular. Recentemente, um grupo de pesquisadores liderados por Semir Beyaz, do MIT(Instituto de Tecnologia de Massachusetts), parece ter esclarecido o mecanismo biológico que relaciona a ingestão de comidas gordurosas com o câncer de intestino, alertando mais uma vez para os perigos da ingestão excessiva de lipídios. Segundo o médico Sergio Cortes, tal associação se relaciona com as células tronco do intestino.

Células tronco são um tipo de célula com alta capacidade de diferenciação. Elas apresentam potencial de se transformar em uma grande variedade de modelos e assumir diferentes funções. São células típicas dos períodos iniciais do desenvolvimento humano, quando as partes do corpo são formadas a partir de um grupo homogêneo de células, informa Sergio Cortes. No intestino, existem as células tronco intestinais, com suas características próprias. As células tronco intestinais funcionam como um estoque para eventuais lesões e para os danos recorrentes do cotidiano, geralmente de pequenas dimensões. A depender da área que foi lesada do intestino, elas se transformam e substituem a célula morta, evitando prejuízos no local. Porém, a multiplicação excessiva dessas células pode ser nociva, pois elas também podem originar cânceres.

De acordo com a pesquisa comandada por Semir Beyaz, do altamente respeitado MIT, a gordura é capaz de induzir a multiplicação das células tronco intestinais, noticia Sergio Cortes. Aumentando muito em número, elas poderiam desencadear processos cancerígenos, pois o fato de não apresentarem uma forma já definida facilita que se transformem em células cancerosas. A investigação foi realizada a partir do análise de dois grupos de ratos. Um deles foi alimentado com grande quantidade de gorduras, enquanto que o outro foi nutrido com uma dieta balanceada, relata Sergio Cortes. Análises posteriores indicaram um aumento no número de células tronco intestinais, que possivelmente se relacionam com os tumores do intestino. As pesquisas também mostraram a dimensão molecular desse processo.

Uma molécula chamada PPAR – Delta parece ser liberada com maior intensidade na presença de gordura, potencializando a produção das células tronco intestinais. Tal ação se daria porque a PPAR – Delta ativa determinados segmento de DNA responsáveis pela multiplicação celular, assim levando ao crescimento da população dessas células. O conhecimento desse mecanismo pode ser bastante promissor para a população, principalmente no que diz respeito a busca de terapias novas, já que essas células podem ser alvo de intervenções alimentares e farmacológicas bastante precisas.

As pesquisas de Semir Beyaz, do MIT, mostraram que uma alimentação excessivamente gordurosa intensifica a multiplicação das células tronco intestinais. Essas, quando estão em grande número, podem desencadear processos cancerígenos, sobretudo devido ao seu potencial de se transformar em uma grande variedade de tipos celulares. As pesquisas foram realizadas em ratos, que ingeriram uma alimentação gordurosa e posteriormente foram avaliados quanto à quantidade de células tronco em seus intestinos. A molécula responsável por isso é a PPAR – Delta, termina Sergio Cortes, que ativa segmentos de DNA que levam à divisão dessas células.

Fonte: G1

Sergio Cortes explica: você sabe como o café pode ser um aliado da saúde?

O debate sobre as consequências que o café traz para a saúde é sempre um assunto bastante discutido entre médicos, nutricionistas e apreciadores da bebida. Segundo uma pesquisa norte-americana divulgada recentemente, as pessoas que tomam café moderadamente, algo em torno de três a cinco doses diárias, conseguem obter benefícios através dele, incluindo chances menores de desenvolver doenças cardíacas, diabetes e mal de Parkinson, por exemplo, explica o médico Sergio Cortes. Para as pessoas que ainda não estão acostumadas a tomar café com frequência, o seu consumo pode acelerar o ritmo do coração, contudo as substâncias presentes na composição da bebida não são capazes de criar batidas extras ou tornar o ritmo cardíaco irregular. Além disso, o consumo do café à noite interfere diretamente na qualidade do sono, portanto, o recomendável é evitar a sua ingestão depois das 18h, tendo em vista que os seus efeitos estimulantes podem durar por algumas horas.

Outra dúvida comum entre quem aprecia a bebida é escolher entre o açúcar ou o adoçante. Nesse caso, o açúcar não apresenta reação com a cafeína, e por esse motivo, não existe qualquer evidência, partindo-se do ponto de vista neurológico, de que seja melhor tomar o café puro. Todavia, para as pessoas que preferem utilizar o açúcar, a única sugestão é evitar exageros, pois o seu uso em excesso, seja no café ou em qualquer outra bebida ou alimento, pode causar impactos negativos na saúde, comenta Sergio Cortes.

Em relação aos tipos de café, tanto o comum como o descafeinado apresentam um potencial positivo para a saúde, de acordo com uma outra pesquisa, desenvolvida pelo setor de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. O estudo, que se baseou em uma série de dados e informações recolhidas a partir de três questionários, foi respondido por cerca de 300 mil pessoas, incluindo enfermeiros e outros profissionais da área de saúde, que entre as respostas, falaram sobre suas condições médicas e hábitos de consumo do café, noticia Sergio Cortes.

Ao comparar pessoas que não bebem café com pessoas que bebem pouco e moderadamente, informa o médico Sergio Cortes, uma das principais descobertas foi o fato de existirem componentes bioativos no café que diminuem as resistências do organismo à insulina e inflamações sistemáticas. Segundo os pesquisadores, esse resultado poderia explicar a razão pela qual as pessoas que ingerem café em doses moderadas possuem uma propensão menor a desenvolverem certas doenças. No entanto, nada está formalmente comprovado e novos estudos precisam ser feitos para investigarem melhor quais são os mecanismos biológicos que causam esses efeitos.

Quando questionados pelo fato do café ser adorado por pessoas de diferentes idades, os especialistas afirmaram que esse consumo moderado pode ser bom para todo mundo, e que o consumo regular da bebida pode ser facilmente incluído em uma dieta saudável e balanceada, comenta Sergio Cortes. Contudo, a única ressalva sobre o consumo de café é em relação as mulheres grávidas e crianças de até 12 anos. Nesse caso, é preciso ter um cuidado extra pois um alto nível de cafeína oriundo do café pode causar efeitos mais fortes do que em adultos e mulheres que não estão grávidas.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/03/cafe-e-aliado-da-saude-veja-qual-quantidade-ideal-por-dia.html

Sergio Cortes reporta: H1N1 causa morte no interior de São Paulo

A gripe H1N1 tem sido motivo de muita preocupação para as autoridades nos últimos anos, principalmente em São Paulo. Isso fez com que o governo do estado mais populoso do país decidisse antecipar o início da vacinação contra a gripe este ano, já que a região metropolitana da maior cidade do Brasil apresentou aumento nos casos de H1N1. Enquanto no resto do país e nos outros municípios do estado a vacinação só será iniciada no final de abril, na capital e nas cidades mais próximas a imunização começou na primeira semana do mês. Contudo, como reporta o médico Sergio Cortes, mesmo com esse esforço por parte das autoridades, a gripe continua fazendo vítimas, já que na segunda-feira, dia 11 de abril, foi confirmado o primeiro caso de morte em decorrência do H1N1 na cidade de Americana, localizada na região de Campinas, no estado de São Paulo. Segundo a prefeitura do município, Wellington Carlos Zigarti, que tinha 34 anos e era secretário adjunto da Educação, não resistiu às complicações causadas pela gripe após ficar oito dias internado no Hospital São Lucas.

Embora a morte tenha acontecido ainda no dia 28 de março, tornando-se o primeiro caso suspeito na região de Campinas, apenas no dia 11 de abril a causa do óbito foi confirmada pelo Instituto Adolfo Lutz, informa Sergio Cortes. Wellington era secretário adjunto da Educação de Americana desde o mês de janeiro do ano passado. Mestre em ciências humanas formado em 2015, na Universidade de Sobornne, na França, ele estava noivo e não deixou filhos. O secretário apresentou os primeiros sintomas no dia 15 de março, mas apenas cinco dias depois foi internado. O Sergio Cortes noticia que o que agravou o quadro de Wellington e o levou a morte foi a Síndrome Respiratória Aguda Grave, complicação que pode acontecer em decorrência de problemas causados por qualquer tipo de gripe.

Além dessa morte causada pelo vírus da gripe H1N1 confirmada, a cidade de Americana tem outros 26 casos suspeitos da doença, inclusive com mais três óbitos. Embora o Instituto Adolfo Lutz não tenha dado uma previsão de quando serão informados os resultados, as mortes de uma mulher de 31 anos, uma criança de apenas 8 meses e um senhor de 53 anos, já estão sendo investigadas. A administração do município noticiou que já entrou em contato com a Vigilância Epidemiológica do estado para informar sobre o falecimento. Além disso, Sergio Cortes destaca que a prefeitura de Americana informou que pretende averiguar junto à Secretaria de Saúde de São Paulo se existe a necessidade e a viabilidade de, assim como aconteceu na região metropolitana da capital, a campanha de vacinação contra a gripe H1N1, que está marcada para começar na cidade apenas no último dia do mês de abril, ser antecipada.

Além desses casos em Americana, Sergio Cortes reporta que outras 14 mortes ocorridas nas cidades de Campinas, Holambra, Águas de São Pedro, Limeira e Piracicaba, todas no estado de São Paulo, estão sendo averiguadas para saber se foram causadas pela gripe H1N1. Dessa maneira, todo o estado está em alerta para possíveis casos da doença, seja com vítimas fatais ou não.
Fonte: G1

Estudo aponta impacto do Zika no cérebro, confirma Sergio Cortes

Nos últimos meses, comentários tem sido percorridos em torno do mosquito Aedes Aegypti. A mídia tem criado propagandas que incentivem a população a evitar criadouro de mosquitos impedindo assim sua proliferação. O Aedes Aegypti é o principal transmissor da dengue e recentemente foi descoberto que o mesmo pode transmitir além desta outras doenças graves como o Zica Vírus, causador da microcefalia em fetos no útero materno, comenta o médico Sergio Cortes. Nas últimas semanas, um estudo aumenta o nível de preocupação da população, no que se refere ao Aedes Aegypti. Divulgado no site do programa global Bem Estar, segundo este mesmo estudo brasileiro recente, o vírus da Zica é capaz de atacar células cerebrais humanas reduzindo em 40% o desenvolvimento cerebral reporta o médico Sergio Cortes.

A pesquisa divulgada pela revista “Science” foi desenvolvida com apoio de vários cientistas sendo estes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e da Universidade Federal de Campinas (UNICAMP) e “esta é responsável por trazer ainda mais informações a respeito de um vírus que a cada dia torna-se mais forte” destaca Sergio Cortes. Esta foi importante também para um acumulo de evidencias que servirão para a comprovação de que o aumento de casos de microcefalia em solo brasileiro nos últimos meses tem relação com o vírus reforçando também os resultados preliminares divulgados em inicio de março deste mesmo ano. Sergio Cortes comenta que para tal avaliação dos prováveis efeitos do Zica Vírus no cérebro humano foram usados, pelos pesquisadores, dois modelos distintos intitulados por eles como “minicérebros”. Segundo o médico, com base em reportagem, estes minicérebros contem estruturas de neurônios que representam de maneira quase que fiel o funcionamento cerebral de um ser humano contendo inclusive as “neuroesferas” que são agrupamentos de células-tronco neurais.

Os cientistas fazem uso de tal recursos, também conhecidos como “modelos complementares” com objetivo de estudar mais profundamente o desenvolvimento cerebral em fase embrionária. Um processo avançado e semelhante ao real que simulam inclusive características iniciais da neorogênese, conhecido como processo de formação de neurônios incluindo neste processo também os processos celulares e moleculares ocorridos no cérebro fetal em seus primeiros meses comenta Sergio Cortes, com base em reportagem. Ainda segundo o estudo, o vírus da Zica causou várias anomalias nas neuroesferas cerebrais causando a morte de grande parte destas ao fim de seis dias. Em teste nos minicérebros o vírus foi responsável por reduzir em 40% a área de crescimento dos organóides. Sergio Cortes ainda destaca que segundo reportagem este estudo foi realizado em 12 minicérebros o que chegou a este percentual.

Ainda segundo reportagem, com relação ao vírus da Dengue, estas não revelaram efeitos nocivos significativos sobre as células cerebrais. Os experimentos relacionados à Dengue e sua ação sobre as neuroesferas não apresentaram qualquer diferença entre aquelas que foram exportas e as que não sofreram exposição.
Desta forma, segundo reportagem, os efeitos do Zica Vírus não se evoluem em contato com outros vírus da mesma família, concluem os cientistas.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/04/zika-reduz-em-40-desenvolvimento-cerebral-segundo-estudo-brasileiro.html

Sergio Cortes: quais os riscos para o seu coração?

Há muito se tem ciência de que a expectativa de vida do ser humano têm se tornado mais extensa ao longo dos anos. Segundo o médico Sergio Cortes a medicina têm avançado grandemente criando novos métodos e medicamentos que prolongam a vida do ser humano. Sergio Cortes ressalta que é preciso cuidados para aproveitar longos anos de vida e estes podem ser obtidos principalmente, através de hábitos saudáveis. O coração, segundo o médico, é o principal órgão responsável pela vida, desta forma precisa de uma atenção extra para permanecer jovem mesmo que o ser humano sustente idade avançada.

Com base neste tema, o médico Sergio Cortes cita uma reportagem exposta no site G1 as quais a mesma se refere aos principais perigos para o coração. Segundo o médico cigarro, sedentarismo e colesterol são os principais vilões para um coração saudável comprovando o que diz em reportagem.  Atualmente vemos crianças e jovens sofrerem de problemas de coração graves aos quais em anos anteriores não eram apresentadas em tais faixa etárias tornando-se preocupante para uma sociedade que busca uma melhor qualidade de vida e principalmente longanimidade. E segundo Sergio Cortes o principal fator que leva o ser humanos, ainda tão jovem, vir a sofrer de infartos ou outras doenças do coração chama-se sedentarismo. O médico relata que as crianças de nosso século estão acostumadas a ingerir alimentos variados, aos quais em 80% não saudáveis e extremamente calóricas e principalmente sem apresentação de atividade física o que ocasiona acumulo em nosso organismo do principal inimigo do coração saudável, o colesterol LDL conhecido como ruim.

O fator se torna ainda mais complicado quando o ser humano tem acesso a outras fontes que tornam ainda mais difícil o bom funcionamento de seu coração como por exemplo o uso de cigarro, utilizado cada vez mais prematuramente em nosso país e que tem gerado mortes a cada ano por complicações, principalmente no que tange ao funcionamento do coração. Sergio Cortes relembra que os avanços da medicina têm auxiliado aqueles que já são portadores de alguma espécie de problemas de coração, mas o uso de medicamentos não é descartado o que leva a pacientes a tomarem, muitas vezes por dia grandes quantidades de remédios para solucionar o caso. Ou muitas vezes, em outros casos, dietas de emergência são prescritas aliadas a atividade física rotineira.
Porém, o médico Sergio Cortes ressalta que os métodos acima citados são emergenciais, em casos que os pacientes correm riscos de vida. Mas o médico salienta que as situações apresentadas podem ser evitadas facilmente mantendo bons hábitos. Os pais podem auxiliar neste processo ensinando seus filhos a ingerirem alimentos mais saudáveis e sempre incentivando-os a realizar alguma atividade física prazerosa. Para os adultos também é importante manter uma dieta saudável livre de gorduras trans, cigarro, bebidas alcoólicas, e principalmente, manter também alguma atividade física. O médico ainda lembra que manter nosso coração saudável e vivermos por longos anos não é somente um sonho distante, mas podemos torná-lo real através de nossas atitudes saudáveis.