Confira, com o ortopedista Sergio Cortes, alguns dos principais tipos de fratura

Não deve ser novidade para ninguém que o termo “fratura” refere-se à quebra ou ruptura dos ossos. Ela é geralmente causada por um impacto de intensidade variável. Nossos ossos costumam ser muito resistentes, eles possuem naturalmente uma capacidade de deformação para que seja possível absorver impactos. Contudo, dependendo do acidente sofrido, as consequências podem ser de maior ou menor gravidade.

Em acidentes não tão graves, por exemplo, pode não haver a “fratura” em si, mas sim a chamada “trinca” do osso. Da mesma forma, em acidentes mais graves, o osso pode despedaçar-se ou chegar ao grau de uma fratura exposta – esta última é bastante perigosa, visto que, se não tratada adequadamente e rapidamente pode culminar em uma infecção.

Vejamos com o médico ortopedista Sergio Cortes, os principais sintomas que caracterizam uma fratura:

  • Incapacidade total ou parcial de movimentos;
  • Dificuldade e dor durante os movimentos;
  • Observação de inchaço na área atingida;
  • Posição anormal do membro atingido;

Em relação a classificação das fraturas, Sergio Cortes reporta que elas podem ser categorizadas de acordo com:

  • A direção da linha da fratura;
  • Conforme a localização anatômica;
  • E de acordo com a forma linear ou cominutiva.

Já quanto ao tipo, o ortopedista Sergio Cortes explica que as fraturas podem ser:

  • Múltiplas;
  • Por encurtamento e torção;
  • Completa e incompleta – ou seja, quando a estrutura óssea é lesionada na sua totalidade ou, então, apenas em parte;
  • De impacto, oblíquas, epifisárias, penetrantes;
  • Por fadiga – ou stress, situação comum em atletas;
  • E fechadas ou abertas – que também podem ser chamadas de não expostas ou expostas.

Chama-se de fratura “exposta ou aberta”, aquela em que se rompe a pele e os tecidos e isso resulta na exposição do osso ao ambiente exterior, exemplifica Sergio Cortes. Já a “não exposta ou fechada” refere-se àquela em que se percebe que o osso está desnivelado ou quebrado, porém ele não rompeu a pele.

As chamadas fraturas por fadiga ou esforço acontecem quando o indivíduo se submete a esforços além de sua capacidade, fatigando a estrutura óssea podendo assim ocorrer o rompimento. É muito comum em esportistas, como jogadores de futebol, ginastas e atletas do atletismo, por exemplo.

As fraturas ditas patológicas, por sua vez, são as causadas por patologias pré-existentes, as quais poderão enfraquecer um osso que teria condições normais.

O Tratamento

Sergio Cortes reporta que, segundo a maioria dos especialistas, o mais importante para o sucesso do tratamento em casos de fratura é a colaboração do acidentado. Serão necessários exames radiográficos juntos a uma avaliação médica, para que assim seja possível confirmar-se uma fratura, bem como classifica-la adequadamente e recomendar para ela o melhor tratamento.

Gravidade, localização, tipo de fratura, condições físicas do acidentado e avaliação conjunta entre médico e paciente são fatores que farão toda a diferença para que se busque o melhor restabelecimento possível da saúde do acidentado. Para cada caso, no entanto, existem soluções e métodos diferenciados, entre diversos outros estão os Braces, a Fixação externa e a Imobilização gessada.

FONTE

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s