Mês: Fevereiro 2016

O que é o joanete?, por Sergio Cortes

joaneteJoanete é o nome popular da saliência óssea na articulação metatarsofalângea do hálux (dedão do pé). O grande artelho se desvia para fora, provocando a proeminência óssea na base do hálux. Essa deformidade pode estar ligada a fatores genéticos hereditários; doenças como a artrite reumatoide e outras doenças reumáticas; a própria anatomia óssea do pé; etc. ou fatores externos, principalmente o uso de calçados inadequados, principalmente os sapatos de salto alto e com o bico fino que é uma verdadeira fôrma de moldar joanetes. Com a pressão sofrida pela calosidade óssea, a pele pode ficar vermelha e dolorida. Como explicou Sergio Cortes em seu artigo “Sergio Cortes explica como salto alto afeta a saúde da mulher”: “Obviamente, o que nós usamos em nossos pés afeta a forma como nosso corpo se move.” Além do que, pode “alterar a posição natural do complexo pé-tornozelo”.

Esse modo como nosso corpo se move, citada por Sergio Cortes, pode, eventualmente, provocar muitos prejuízos para nossa saúde, que afetam tanto nosso físico como nossa mente, afinal suportar a dor nos afeta psicologicamente também. A pressão sobre o complexo pé-tornozelo sofre impactos que podem prejudicar nosso corpo por muito tempo e, com o avanço da idade, os problemas nessa área tendem a piorar (engordar, diminuição de massa muscular, por exemplo).

A formação dos joanetes é bastante comum em mulheres que utilizam por muito tempo sapatos com saltos altos e bicos finos, a deformidade vai aumentando com o passar dos anos e, por fim causam joanetes doloridos e irreversíveis. Sergio Cortes diz que a relação de força entre os músculos nas laterais dos tornozelos e os da frente e nas costas torna-se cada vez mais desequilibrado ao longo dos anos vestindo saltos. E essa relação desequilibrada de forças que Sergio Cortes cita, pode influir diretamente na formação de joanetes, deformando a estrutura óssea do háluxUma boa dica para maior conforto dos pés é adquirir sapatos à noite, quando os pés estão mais inchados, escolher calçados que deixem o pé sem apertos, com pontas arredondadas ou quadradas, ficando livres de pressões que podem ser prejudiciais no futuro, pela utilização diária de calçados inadequados.

A utilização de protetores pode ajudar a aliviar a dor dos joanetes, mas não permitirão sua cura. O tratamento do joanete pode ser caseiro, com uso de analgésicos, de palmilhas almofadadas para diminuir a pressão sobre o joanete ou compressas de gelo para ajudar na desinflamação e diminuição da dor. Mas em casos extremos pode ser necessária uma cirurgia para realinhar o dedo, afastando-o do segundo dedo e remover o calo ossudo (bunionectomia). Quanto mais idosa a pessoa for, fica mais difícil de tratar o joanete. Apesar de nem sempre o joanete progredir para algo mais grave que necessite uma cirurgia, pode complicar, incluindo: aparecimento de bursite ou pode levar a uma curva anormal, na articulação do meio, de um dedo do pé.

Ter saúde não significa não estar doente. Ter saúde implica em saúde física e mental, passando pela qualidade de vida, pela felicidade e tudo aquilo que torne a vida do ser humano completa.

Sergio Cortes fala sobre o torcicolo: como prevenir, quais são as causas e como aliviar os efeitos

 

torcicoloMuitas pessoas têm uma rotina tão agitada que deixam passar despercebidas inúmeras atitudes que prejudicam sua saúde. Isso acontece principalmente em relação à postura, pois quase ninguém toma os devidos cuidados sobre isso na hora de sentar, andar e até mesmo praticar exercícios, o que acaba trazendo alguns problemas para o corpo. Uma das complicações mais comuns causadas pela má postura é o torcicolo. Sergio Cortes, médico ortopedista, comenta a seguir alguns detalhes sobre esse problema, apontando suas causas e mostrando como não é assim tão difícil tomar cuidados para evitá-lo.

Sergio Cortes começa destacando que, apesar de ser algo que atinge muitas pessoas, apenas algumas pequenas precauções são suficientes para evitar o torcicolo. Na verdade, ele diz que inicialmente é preciso dar atenção para alguns detalhes que são potenciais causadores de dores na cervical, nos ombros e no pescoço. Entre eles a forma como sentamos e caminhamos, estar com o peso acima do indicado para a sua altura, e até mesmo os movimentos que fazemos quando estamos dormindo, já que alguns deles nos fazem ficar em posições extremamente desconfortáveis para a coluna.

O médico ressalta que todas essas atitudes são prejudiciais porque o corpo humano tem seu desenvolvimento feito para movimentar-se no sentido mais correto possível, estando sempre ereto, ou quando estamos sentados, com os quadris, os ombros e a cabeça dispostos paralelamente, pois se eles estiverem desalinhados, os reflexos dessa postura incorreta iram justamente para a coluna cervical.

Além disso, Sergio Cortes também comenta que pessoas que trabalham pegando muito peso têm que tomar muito cuidado, pois é bastante comum que a coluna faça um esforço que deveria ser feito apenas pelos braços. O especialista diz que o certo é focar todo o peso no braço, colocando mais força com o bíceps e evitando encolher os ombros, pois se isso acontecer, a coluna será obrigada a fazer muito esforço, o que certamente causará desconforto.

O médico também lembra que muita gente usa a cabeça e os ombros para segurar o telefone enquanto conversa, o que força muito essa região e pode desencadear um problema sério. Além disso, estalar os dedos, as articulações e o pescoço, mastigar de forma errada, falar e respirar inadequadamente são outros fatores causadores de pequenos problemas que com a frequência podem acabar se tornando bastante incômodos.

Contudo, Sergio Cortes esclarece que, além de evitar essas posições que prejudicam a postura corporal e causam desconfortos, é possível e necessário fazer alguns exercícios para evitar esses problemas. O especialista destaca que, quando passamos dos 20 anos de idade, nossas estruturas começam a se desgastar, o que torna alguns cuidados fundamentais. Sergio Cortes diz que para quem força muito o pescoço, é possível evitar dores nessa região fazendo alongamentos localizados algumas vezes por dia, o que servirá para fortalecer a musculatura, deixando a área mais resistente. Já para quem sente desconfortos na coluna, o especialista indica alongamentos em todo o corpo e automassagens, pois isso servirá para corrigir a postura em geral.

Fonte: G1 

Sergio Cortes traz os resultados do estudo francês sobre gêmeos

gemeos

 

Um estudo feito pelo Gilles Pison, professor do Museu de História Nacional e pesquisador do Instituto Nacional de Estudos Demográficos (INED) da França, comprovou que nos últimos quarenta anos, o número de gêmeos nos países desenvolvidos quase dobrou devido à decisão de prorrogação da gravidez e à necessidade de recorrer a assistência médica para a procriação.

Sergio Cortes comenta que, nas últimas décadas, se tornou comum as mulheres decidirem ser mães após se estabilizarem em suas vidas profissionais, garantindo desta forma, melhores condições futuras para os filhos. A grande variedade de métodos anticoncepcionais, se tornaram facilitadores para a prorrogação, porém, após os 35 anos, ocorrem situações que levam a probabilidade de gravidez de gêmeos. A dificuldade de engravidar com a redução da produção de óvulos é uma delas. Com a idade avançada, as mulheres reduzem essa produção e consequentemente se tornam menos férteis, explica Sergio Cortes, segundo dados da pesquisa.Devido a essa dificuldade de engravidar, a procura pela Assistência Médica à Procriação (AMP) se torna necessária para que haja a possibilidade de fertilização artificial conhecida como fertilização in vitro.

A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica de reprodução em laboratório, com a inserção de uma quantidade de espermatozóides ao redor dos ovócitos, com o objetivo da fecundação e que são direcionados para o útero para desenvolvimento do embrião. Sergio Cortes ressalta que, nessas situações, há grande probabilidade da fertilização ocorrer em mais de um óvulo, devido as poliovulações. A outra situação está relacionada a poliovulação que é um fenômeno de origem hormonal no qual a mulher libera mais de um óvulo maduro durante o mesmo período. Isso pode acarretar a formação de gêmeos dizigóticos, ou seja, a formação de dois embriões através de dois ovócitos fecundados por dois espermatozóides.

Porém, segundo a pesquisa, se houver uma tendência ao crescimento do índice de gêmeos, isso afetará a questão de saúde pública, diz Sergio Cortes, pois a gravidez de gêmeos pode gerar riscos às mães que tendem a adquirir algumas doenças como a diabetes gestacional, eclampsia – que é o aumento da hipertensão arterial – e a depressão pós-parto.  Sergio Cortes reforça que quando os bebês nascem prematuros é necessário um acompanhamento mais efetivo até o seu desenvolvimento, porém o risco de aumento da taxa de mortalidade infantil continua presente nessa situação.

Além disso, após os 35 anos, durante a gestação, aumenta a probabilidade do bebê adquirir uma doença chamada Trissomia do Cromossomo 21, conhecida como Síndrome de Down, que é um distúrbio genético onde o bebê possui 3 cromossomos 21 e não 2 como deveria. Este distúrbio pode causar danos como retardo mental, alteração da aparência facial entre outros que afetam o desenvolvimento físico do bebê. Em resumo, Sergio Cortes traz a conclusão da pesquisa e dos especialistas que aconselham que o planejamento familiar seja feito com cautela, durante o período da vida em que a mulher terá melhores condições de saúde para manter a gravidez. Caso haja a necessidade de fertilização in vitro, é recomendado que a reprodução ocorra em apenas um óvulo, garantindo uma gravidez com menores riscos, sempre com o acompanhamento médico ginecológico, obstétrico e pediátrico após o parto.

Fonte: G1